(11) .
    • 27 AGO 14
    • 0
    5 problemas comuns em cães idosos (Matéria na Coluna da Dra. Fernanda do Hospital Veterinário Sena Madureira na Revista Época).

    A vida passa rápido, principalmente quando pensamos na vida de um cão. Estima-se que um quarto da vida de um cachorro corresponde à fase “senior”, ou como gostamos de dizer, à terceira idade. E a tendência é que esta proporção aumente cada vez mais.

    Por volta dos 6 a 7 anos de idade, o corpo do cão começa a apresentar os primeiros sinais de velhice. Mas os donos não devem atribuir todo e qualquer desconforto ou limitação à idade avançada, e sim buscar auxílio para proporcionar uma melhor qualidade de vida ao animal. Para prevenir e detectar doenças ainda na fase inicial,  é recomendado levar o cachorro ao veterinário a cada seis meses.

    Selecionei cinco problemas bastante comuns em cães idosos. Confira abaixo como prevení-los, ou, ao menos, minimizar seus efeitos na vida do cachorro.

    1. Doença periodontal –  É o problema mais comum em cães adultos e idosos. Se não for tratada, pode levar a infecções graves; perda dos dentes;  alterações ósseas na mandíbula e no maxilar; e dificuldade para se alimentar, provocando fraqueza, perda de peso e baixa da imunidade. A escovação dental diária durante toda a vida, assim como a limpeza periódica feita pelo veterinário, auxiliam a prevenção.

    2. Obesidade – Com a idade, diminuímos erroneamente a atividade física e os estímulos (por meio de passeios e brincadeiras), e ao mesmo tempo, aumentamos a oferta de comida e petiscos. Respeitando os limites individuais do seu cão, é fundamental usar a criatividade para manter sempre a boa forma e uma alimentação saudável.

    3. Artrite – Seja por desgaste, por diminuição da lubrificação, problemas genéticos ou traumas, com o passar dos anos as articulações podem causar desconforto e dor ao levantar, caminhar ou deitar. O uso de protetores articulares, a manutenção do peso ideal para a raça, terapia com acupuntura, fisioterapia e, em casos agudos, medicações especificas, possibilitam conviver com o problema sem prejudicar a qualidade de vida do animal.

    4. Hipotireoidismo – Animais com sobrepeso, baixa atividade física, sonolentos e com lesões na pele e pelos podem sofrer de hipotireoidismo. Se não for diagnosticada e tratada adequadamente, a doença compromete muito a vida do animal. Por acometer em sua maioria cães idosos, os donos muitas vezes associam os sintomas à idade avançada e não buscam auxílio veterinário. Por isso, qualquer alteração no comportamento e na rotina de seu cão deve ser informada ao veterinário para um correto diagnóstico e tratamento.

    5. Câncer - Assim como acontece com as pessoas, o aumento do tempo de vida acaba trazendo à tona algumas doenças que em jovens são menos frequentes, como câncer. A doença não tem cura. Mas a noticia boa é que para grande parte dos tumores benignos ou malignos (câncer) em cães, existe tratamento para minimizar os sintomas e levar um pouco de conforto ao animal.

    Quem escolheu ter um cão quer que ele viva por muitos e muitos anos. E quer, acima de tudo, que este tempo de vida seja aproveitado ao máximo, com muito amor, carinho, conforto, saúde e bem estar.

    (Fernanda Fragata é veterinária formada pela Universidade de São Paulo, é diretora do Hospital Veterinário Sena Madureira, em São Paulo. Escreve no site de ÉPOCA sobre saúde e comportamento animal às segundas-feiras)

    Deixe um comentário →