(11) .
    • 25 JUN 14
    • 0
    Nas férias, o que é melhor para seu gato? (Matéria na Coluna da Dra. Fernanda do Hospital Veterinário Sena Madureira na Revista Época).Levar ou não o gato na viagem de férias? (Foto: Thinkstock)

    Gatos são mais territoriais e costumam preferir ficar em casa


    Gatos são mais territoriais e costumam preferir ficar em casa.

    No mês de julho, muitas famílias aproveitam as férias escolares para viajar e curtir a família. Nesta hora surge a dúvida: O que é melhor para o seu animal de estimação? Acompanhar a família na viagem, ficar em casa ou curtir as férias em um hotel especializado para pets?

    Não existe uma regra que funcione para todos. É importante levar em conta a idade, o temperamento e as condições de saúde do seu animal, além das opções de hospedagem disponíveis e do destino planejado.

    Gatos são mais territoriais e preferem ficar em casa a se deslocarem para outros destinos, mesmo que isso lhes custe ficar um tempo longe do dono. Caso tenha alguém de confiança que possa tomar conta do bichano em sua casa, com certeza esta será a opção com melhor aceitação. Deixe uma peça de roupa sua usada na caminha dele e oriente o cuidador sobre as manias e preferências do seu gatinho.

    Outra opção é deixá-lo na casa de parentes ou em hotéis próprios para gatos. No caso de hotéis, é importante visitar o local algumas vezes antes e se certificar das exigências de comprovação de saúde, vacinas e preventivos para parasitas de todos os hóspedes. Leve brinquedos e objetos pessoais para que ele se sinta seguro durante a hospedagem. Se seu gato tem temperamento calmo, não se estressa com facilidade e goza de boa saúde, esta é uma opção interessante.

    Se você optar por levá-lo na viagem, avalie o destino escolhido, a distância, o meio de transporte e o tempo de permanência, a fim de prepará-lo da melhor forma, tornando o deslocamento o menos traumático possível. Medicamentos homeopáticos e fitoterápicos podem ser bons adjuvantes. Uma caixa de transporte confortável e a monitoração constante também devem fazer parte do roteiro. Avalie se no local de destino você terá tempo suficiente para dedicar ao seu gato que compense o desgaste da viagem. Converse sempre com o seu veterinário de confiança para orientações específicas ao seu pet e boa viagem!

    (Fernanda Fragata é veterinária formada pela Universidade de São Paulo, é diretora do Hospital Veterinário Sena Madureira, em São Paulo. Escreve no site de ÉPOCA sobre saúde e comportamento animal às segundas-feiras)

    Deixe um comentário →