(11) .
    • 04 NOV 13
    • 0
    Por que os cães perdem tanto pelo na primavera? (Matéria na Coluna da Dra. Fernanda do Hospital Veterinário Sena Madureira na Revista Época).(Foto: Dan Kitwood/Getty Images)

    Com a chegada da primavera, a temperatura sobe, e os pelos dos cães caem em maior quantidade que o habitual. Muitos donos de animais compartilham da mesma queixa: o excesso de pelos pelo chão, no sofá, na roupa e pela casa toda.

    Embora a troca de pelos ocorra o ano todo, na primavera esse fenômeno é mais intenso. Nessa época, a pelagem mais espessa e os chamados subpelos, que nascem para proteger os bichos das baixas temperaturas do inverno, são substituídos por uma pelagem mais leve e curta. Essa mudança é mais facilmente percebida em animais de pelo curto como pug, dachshund, pinscher, wippet, beagle, labrador e aqueles que possuem dupla pelagem como cães das raças husky siberano, collie, samoieda, pastor alemão, chow chow e akita.

    Cães de raças com pelo longo como shihtzu, maltes, poodle, yorkshire, lhasa apso, que precisam ser rotineiramente tosados, dão menos trabalho com a queda de pelo, pois o pelo cresce continuamente e é sempre escovado e aparado.

    Para minimizar o desconforto no ambiente, é recomendado aumentar a frequência da escovação da pelagem para remover os pelos que já caíram, mas se encontram ainda presos ao corpo do animal. Outra dica é massagear a pele para estimular a circulação e remover sujidades e descamações.

    Durante a escovação, os pelos ficam presos nas cerdas da escova facilitando a eliminação e diminuindo a queda durante o restante do dia. Esse tipo de queda de pelo, considerada fisiológica, não causa falhas na pelagem, exposição, nem lesões na pele.

    A qualquer sinal de falha de pelo, crostas, coceira, mau cheiro ou oleosidade em excesso, é importante consultar o médico veterinário. Essas alterações podem sinalizar doença de pele, que deve ser investigada e tratada logo no início, para evitar piora das lesões.

    Com a chegada do calor, é importante ficar atento ao aparecimento de parasitas como pulgas, carrapatos e piolhos, que, além de causar coceira, lesões de pele, queda de pelos, alergias e um grande incômodo aos cães, transmitem doenças como verminose, anemia, queda brusca de plaquetas com risco de sangramentos graves e até a morte do animal. Caso não sejam feitos controle e prevenção desses parasitas, a família também pode ser prejudicada. Eles podem transmitir zoonoses aos donos.

    Com o grande numero de opções no mercado, está cada vez mais acessível manter os pets saudáveis e livres de parasitas o ano todo, esbanjando saúde. Mas, atenção: para cada idade, raça e estilo de vida do animal existe um produto, com frequência e modo de aplicação próprios. Não espere a chegada do verão ou o aparecimento desses hóspedes indesejáveis. Consulte o médico veterinário para a correta prescrição e acompanhamento.

    (Fernanda Fragata é veterinária formada pela Universidade de São Paulo, é diretora do Hospital Veterinário Sena Madureira, em São Paulo. Escreve no site de ÉPOCA sobre saúde e comportamento animal às segundas-feiras)

    Deixe um comentário →