(11) .
    • 03 NOV 14
    • 0
    Será que meu cão não está enxergando? (Matéria na Coluna da Dra. Fernanda do Hospital Veterinário Sena Madureira na Revista Época).Filhotes vestem fantasias durante festival de adoção de animais em Los Angeles, Califórnia, EUA (Foto: Rachel Murray/Getty Images)

    Algumas raças têm maior predisposição à cegueira que outras


    Se o seu cão esbarra nos móveis e demais objetos da sua casa, se assusta com maior frequência que antes e parece desorientado em novos ambientes ou quando você muda as coisas de lugar na casa, pode ser que ele não esteja enxergando muito bem. Antes de simplesmente conformar-se e adaptá-lo a essa nova condição, é fundamental investigar a causa da perda da visão.

    Algumas raças têm maior predisposição à cegueira que outras. As causas podem ser diferentes também. Cães das raças poodle e pinscher, por exemplo, têm maior susceptibilidade a desenvolver catarata. Os pugs, shitzu e lhasa apso têm maior predisposição à pigmentação da córnea secundária e à alterações em pálpebras, como o entrópio. Schnauzers, collies, poodles e cockers são mais propensos a apresentar atrofia de retina. Beagles e labradores têm maior chance de apresentar displasia da retina com  deslocamento da retina e consequente cegueira.

    As causas podem ser secundarias a doenças sistêmicas, hereditárias ou lesões oculares. O glaucoma, a catarata, a inflamação, infecção ou descolamento da retina, lesões e tumores oculares, doenças da córnea, as uveítes (bastante frequentes em gatos), doenças do nervo óptico e  doenças do córtex occipital são alguns exemplos de causas de perda de visão. O diagnóstico é feito pelo veterinário após criterioso exame físico, neurológico e oftalmológico. Exames de sangue e imagem podem ser necessários também.

    Se o animal não apresentar nenhuma doença ocular que cause dor, geralmente eles se adaptam bem a essa nova condição, e alguns cuidados podem proporcionar maior conforto e segurança nesta nova fase da vida. Como a audição e o olfato são sentidos naturalmente desenvolvidos nos cães e nos gatos, eles podem ser utilizados para compensar a perda da visão. Alguns cuidados, como direcionar o animal ao local onde ficam agua e a comida e colocar os potes sempre no mesmo local, assim como a caminha e o “banheiro” para as necessidades, facilita muito a independência e dá segurança ao seu amigo.

    Deixe um comentário →