Loja Virtual
    • 27 AGO 20
    • 0
    Cães também sofrem do coração – Saiba como prevenir e tratar essas doenças

    A cardiopatia é um grupo de doenças que levam ao mau funcionamento do coração do seu cãozinho. Entre as principais, temos as doenças valvares, a cardiomiopatia dilatada e a cardiomiopatia hipertrófica.

    Todas essas doenças podem evoluir para insuficiência cardíaca. Elas são mais comuns em pets idosos, até por isso é importante fazer check–ups periódicos, com ecocardiograma e eletrocardiograma, a partir dos seis anos de idade.

    É fundamental também que o cachorro mantenha hábitos de vida saudáveis para evitar ou remediar o aparecimento de doenças cardíacas. E, para tanto, ele depende de você! Isso abrange, por exemplo, exercícios físicos regulares e uma boa alimentação, com rações de qualidade.

    Sintomas

    Como alerta Mário Marcondes, médico veterinário e diretor clínico do Hospital Veterinário Sena Madureira, algumas doenças são degenerativas e progressivas, com um componente de predisposição racial. “No entanto, quando diagnosticadas precocemente, e com tratamentos para retardar ou diminuir sua evolução, é possível que o animal permaneça um maior período de tempo em estabilização com uma vida próxima do normal”.

    Portanto, atenção aos sintomas:

    • Cansaço fácil
    • Tosse e falta de ar
    • Língua arroxeada
    • Acúmulo de líquidos na região abdominal
    • Inchaço de membros

     

    Em geral, quando o pet apresenta sintomas como falta de ar ou língua arroxeada, a doença pode estar em um estágio mais avançado, diz Marcondes. “Portanto, é importante ficar atento aos sintomas inicias de cansaço ou tosse”.

    Tratamento

    Após identificada, a insuficiência cardíaca tem um tratamento baseado em vasodilatadores, isso é, medicamentos que auxiliam na maior  circulação sanguínea, dilatando os vasos, além de outros que atuam na contratilidade cardíaca. Também é recomendada uma dieta com ração para cardiopatas e diuréticos. “Já no caso de presença de arritmia cardíaca, deve-se fazer uso ainda de um antiarrítmico”, aponta Marcondes.

    Vale reforçar, por fim, que toda medicação e protocolo devem ser escolhidos pelo médico veterinário de acordo com a fase da doença. E, claro, qualquer dúvida ou suspeita, procura o profissional de sua confiança!

    Deixe um comentário →

Deixe um comentário

Cancelar

Conheça o Hospital