(11) .
    • 10 JAN 10
    • 0
    Estilo de vida dos donos contribui para obesidade dos animais de estimaçãoA SRD Pretinha, que comia picanha, entre outros quitutes, e atingiu 31 quilos; veterinário diagnosticou obesidade e prescreveu dieta

    Entre tira-gostos e afagos, Pretinha chegou a 31 kg, quando o peso indicado para seu porte é de 20 kg.

    Em uma consulta ao veterinário, o diagnóstico era visível: obesidade. “Ela ficava ofegante e passava o dia deitada”, lembra a proprietária.

    Além da picanha nos fins de semana (condenada pelos veterinários), a cadelinha estava comendo muito mais que o recomendado também em dias úteis. Três vezes por dia, era servida de porções de 200 g de ração. “No total, ela comia mais de meio quilo e, às vezes, até repetia”, diz Ana.

    O remédio contra o excesso de peso foi a adoção de uma dieta controlada. Pretinha passou a ingerir no máximo 200 g diárias de ração, divididas em várias porções pequenas ao longo do dia para aumentar a sensação de saciedade.

    Por recomendação veterinária, começou a fazer todos os dias caminhadas leves durante 15 minutos. Em companhia da dona, anda por uma pracinha próxima de casa, no parque São Lucas, zona leste. O sobrepeso da cadela mudou os hábitos da casa. Ana conta que não permite que Pretinha fique na sala de jantar durante as refeições. Nessas horas, a deixa trancada na área de serviço.

     Para evitar ceder aos apelos do animal, a administradora também baniu lanchinhos entre as refeições. “Foi uma mudança radical. Tenho o peso adequado, mas faço dieta pela minha cachorra”, afirma.

    A obesidade em animais de estimação é cada vez mais comum. Segundo a professora Márcia Jericó, diretora do Hospital Veterinário da Universidade Anhembi Morumbi, no Brasil, 17% dos cães estão bem acima do peso. Nos EUA, esse índice chega a 44%. “É uma doença moderna que avança rapidamente. Está diretamente relacionada ao estilo de vida nos centros urbanos.”

     Assim como nas pessoas, vários fatores contribuem para a obesidade animal: predisposição genética, sedentarismo e alimentação inadequada. Algumas raças estão mais sujeitas ao acumulo de gordura, como os labradores, pugs, buldogues e poodles.

    “Donos desses cães têm que estar conscientes de que seus animais precisam de maior quantidade de exercícios físicos e alimentação regrada”, explica o veterinário Mário Marcondes, do Hospital Sena Madureira.

    No caso de Pretinha, a castração a que foi submetida logo após a adoção também contribuiu para o ganho de peso. Cães castrados apresentam o dobro da probabilidade de se tornarem obesos, especialmente as fêmeas. Elas deixam de produzir hormônios que atuam na inibição do apetite, e passam a comer mais.

    “A obesidade decorrente da castração é facilmente evitada. Basta que o animal coma na medida certa e seja estimulado a se exercitar”, diz Mário. Existem no mercado rações próprias para animais castrados, com teor calórico mais baixo que as tradicionais.

     Excesso de fofura

    Muitos donos de bichos de estimação precisam se convencer de que gordura não é sinônimo de fofura. “As pessoas ainda têm a visão de que bonito e saudável é o animal gordinho”, constata Mário. O veterinário diz que é mais comum no consultório ouvir reclamações sobre a magreza dos pets –que, às vezes, os donos acreditam ser excessiva– do que sobre a gordura.

    Márcia confirma: “A maioria dos donos só procura ajuda veterinária quando o bicho apresenta complicações decorrentes da obesidade”.

    1001056

    Doenças relacionadas

    A obesidade animal também pode ser consequência de outros males. O gerente de vendas Marco Aurélio Abreu, 33, sabia que dar comida de gente para o poodle Tody, 5, era errado, mas algumas vezes cedia aos apelos do cão. O animal também comia porções generosas de ração muitas vezes por dia. “Quando saía para o trabalho, sempre lhe dava um petisco.”

    Tody era constantemente “presenteado” com pequenos pedaços de pizza, salgadinhos e bolachas durante as refeições em família. Bem acima do peso e pedindo comida sem parar, foi levado ao veterinário. Na ocasião, ele pesava 15 kg.

    Sete a mais que o indicado para sua raça e porte. A causa da fome excessiva era um tumor na glândula adrenal.

    Há seis meses em tratamento quimioterápico, o poodle perdeu três quilos, mas ainda faltam quatro. A família corre atrás do prejuízo. Tody segue uma dieta rigorosa, de apenas 170 g de ração light, divididas em seis porções diárias, e faz caminhadas todos os dias.

    O início do tratamento foi o período mais difícil, pois o cão não se conformava com a nova dieta. “Ele arrastava a vasilha de comida durante a madrugada, pedindo mais”, conta Marco. Quando não está saciado, o pet recebe folhas de alface em vez de biscoitinhos.

    Marco confessa que, apesar de a doença ser a responsável pelo apetite insaciável do poodle, a família acabou contribuindo para o aumento de peso do animal. Infelizmente, eles só descobriram isso no consultório do veterinário. “Achava que fruta era bom para cachorro, mas descobri que tem muito açúcar.”

    Presente de grego

    Um estudo comparativo feito na Alemanha investigou a relação entre donos e animais obesos. O resultado apontou que a maioria dos proprietários de cães obesos também estava acima do peso.

    E o vínculo entre eles era mais forte que entre donos e animais de peso normal. “Os gordinhos se colocavam no lugar dos bichos e argumentavam que os amavam tanto que não conseguiam lhes negar pedidos”, explica Márcia.

    A comilança de Natal e durante as férias, por exemplo, tem reflexo nos hospitais veterinários. O Sena Madureira registra um aumento de 20% no número de internações nesse período. “Em dias de festas, o ideal é orientar os convidados a não oferecer alimentação aos animais”, explica a veterinária Fernanda Fragata.

    Afinal, a luta para colocar em forma pets obesos é dura. Exige disciplina e comportamento espartano de todos os envolvidos no processo. “Brinco que amor demais engorda. Todo cão obeso é pidão”, conclui a professora Márcia. “Mas, pela saúde do próprio, é necessário blindar o coração e não ceder aos apelos.” O resultado vai aparecer na balança. Cuidar da saúde do animal de estimação também é um gesto de amor.

    Deixe um comentário →

Conheça o Hospital

Primeiro Pet Hotel 6 estrelas ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️ em SP. Vai viajar? Reservas (11) 5572-8778.

pethotel3

"Novo Pet Hotel 6 estrelas do Hospital Veterinário Sena Madureira é destaque na TV Record. Confira!"

"E ainda tem mais..."

pethotel4pethotel2pethotel